15 de maio de 2015

Caramelo paleo (sem açúcar, sem leite).

What did you learn today? I learned nothing!
What did you do today? I did nothing!
What did you learn at school? I didn't go!
Why didn't you go to school? I don't know!

It's cool to know nothing.
It's cool to know nothing.

Kaiser Chiefs




Estamos actualmente a anos-luz do passado a nível de informação sobre a alimentação saudável. E ainda bem.

Alguns queixam-se das mudanças sucessivas dos nossos padrões alimentares, usando aquele já tão repetido argumento de que 'a sardinha ainda há uns anos era obra do demo e agora já é saudável'. Mas na minha opinião esta crítica não faz lá muito sentido: afinal, as constantes alterações no nosso paradigma alimentar não passam de um sinal de que cada vez sabemos mais sobre o que comemos e sobre a importância de termos uma alimentação correcta, adequada e variada.


Hoje em dia, e como certamente quem passa por aqui já deve ter percebido, o paradigma está novamente a mudar. As gorduras já não são o bode expiatório de tudo e o açúcar passou a ocupar o papel de vilão. As proteínas voltaram à ribalta e os hidratos de carbono foram pontapeados para o canto. O glúten faz mal, a lactose faz ainda pior. E nós ficamos perdidos entre conversas sobre antibióticos, pesticidas, aromatizantes, adoçantes artificiais e aditivos em geral.

E, no meio de tanta informação, ficamos desinformados.


Quando somos sensatos, aceitamos que não sabemos e nunca saberemos tudo sobre este tema (ou, diga-se de passagem, sobre nenhum!). Não assumimos verdades absolutas, não somos levados por dogmas e não caímos em extremismos. Defendemos a moderação, o equilíbrio e o respeito pelo corpo, e comprometemo-nos com defender o que nos parece mais correcto enquanto respeitamos as diferentes opiniões e opções dos outros.

Mas nem todos somos sensatos.


Às vezes nos meus passeios pelos blogs ou fóruns dedicados a estas temáticas esbarro em comentários quase atrozes de pessoas que, aparentemente, têm o rei na barriga. E questiono-me se não estaremos hoje a cair num mundo onde a obsessão pela alimentação saudável não só passa despercebida, como é até enfatizada e admirada.


Honestamente, começo a temer que a epidemia da obesidade e dos maus hábitos alimentares esteja a ser substituída pelos fundamentalistas da alface biológica e das sementinhas. 

'Do mal o menos', dirão talvez alguns de vocês. E eu concordaria, se o mundo tivesse apenas duas medidas - o oito ou o oitenta. Mas não tem, e algures entre os setenta e dois números restantes há todo um conjunto de opiniões e opções perfeitamente válidas que devem ser respeitadas e valorizadas.


Algures entre esses setenta e dois números estará certamente este caramelo - feito sem açúcar refinado e sem leite de vaca, com uma data de adaptações disponíveis e com todo o sabor do molho de caramelo original. Mais saudável, na minha opinião.

E na vossa?


Caramelo paleo (sem açúcar, sem leite) (receita adaptada do blog 'The Iron You')

Ingredientes (para aproximadamente uma chávena):

* 200ml de leite de amêndoa (ou leite de coco, mas eu preferi a versão com leite de amêndoa);
* 85g de xarope de seiva de ácer (ou mel - eu preferi a versão com xarope de seiva de ácer, o Pedro gostou mais da que levou mel);
* Uma pitada de sal;
* 80g de manteiga (ou óleo de coco, mas fica melhor com manteiga);
* Uma colher de chá de essência de baunilha (usei caseira).

Confecção:

* Juntar o leite de amêndoa, o xarope de seiva de ácer e o sal e levar a aquecer em lume brando até ficar espesso (comigo demorou uns vinte minutos);

* Juntar a manteiga e deixar derreter, mexendo bem;

* Desligar o lume e juntar a essência de baunilha;

* Retirar do lume, colocar num recipiente e deixar arrefecer.

Brownies saudáveis :) Receita no blog na próxima semana! :D
Tenham um óptimo fim-de-semana! :D

16 comentários:

  1. Eu cá acho que "nem muito ao mar, nem muito à terra"! Eu procuro ter uma alimentação equilibrada mas também não pretendo retirar o que quer que seja da minha alimentação (a menos que me faça mal) para substituir só por sementes, batidos e coisas do género. Por exemplo, a chia tem não sei quanto + % de ómega 3 do que o peixe, mas nem pensar que retiro o peixe da minha "dieta"! Acho que deve haver equilíbrio e comer de tudo só que em quantidades equilibradas. Não pretendo ser magra, também não quero ser gorda! Prefiro ser saudável! E por falar em saudável, livra-te de não publicares a receita desses brownies! Beijinho

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. No fundo é isso: como dizia a Julia Child 'tudo em moderação, inclusivamente a moderação' :D

      Eliminar
  2. Posso fazer a mais e guardar num tupperware no frigorífico ou achas que é melhor fazer a quantidade certa? Se der para guardar, durante quanto tempo?
    Beijinhos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Rebeca eu costumo guardar no frigorífico por volta de uma semana. Nunca experimentei mais porque entretanto acaba-se ;) Beijinhos :D

      Eliminar
  3. Ena e graças a esta receita, e 20 anos depois, espero poder voltar a comer um pouco de pudim de ovos. Sou diabética há 20anos, e já me apeteceu comer aquele pudim caseiro, mas se para o pudim tinha a hipótese de substituir o acucar por adoçante, para o caramelo não.
    Não conheço o xarope de seiva, tem hidratos de carbono\açucares com reflexos apreciáveis na glicemia?
    Ai ai, já estou aqui a rogar às galinhas, para que ponham ovos como deve de ser....

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O xarope de seiva é o que os ingleses chamam de maple syrup, encontra-se na parte dos produtos gourmet. No fundo é como o mel, por isso creio que terá reflexo a nível da glicémia (embora pense que será inferior ao do açúcar) :)

      Beijinhos! :)

      Eliminar
  4. Não estudei nutricionismo e não faço ideia do que pode ou não ser saudável. Sigo uma dieta da moda por ter sido feita por uma nutricionista e faço-o porque acho que não é positivo para mim manter-me com excesso de peso. Se considerava ter uma alimentação não saudável antes? Nem por isso... tenho uma horta, como bastantes alimentos biológicos. A dieta que estou a fazer agora pode nem ser a melhor do mundo, mas acho que é a melhor para mim no momento.

    btw o caramelo têm bom aspecto, como 99% das coisas que aqui metes.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não é saudável ter excesso de peso, mas será que é saudável seguir determinadas dietas? Não especificamente a que segues, mas outras? Enfim, isto é tudo demasiado complicado ;)

      Eliminar
  5. Respostas
    1. Bem me parecia que ias adorar :D E dá para ser sem lactose e tudo :D

      Eliminar
  6. É verdade que estamos a entrar numa fase de obsessão total e de paranóia em relação à alimentação saudável... Mas, por outro lado (e já tenho comentado isto várias vezes), de cada vez que vou a Portugal fico abismada com a quantidade cada vez maior de pessoas com excesso de peso, pessoas muitas vezes novas, muito mais novas do que eu e que, claramente, estão com um problema... E os últimos números a que tive acesso eram verdadeiramente preocupantes. Tenho regressado tão traumatizada que até eu, que sou extremamente relaxada no que à comida diz respeito, me sinto ligeiramente paranóica com a alimentação saudável... Sou contra extremismos e fundamentalismos, mas a verdade é que alguma coisa tem que ser feita

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Concordo que a alimentação saudável deve ser incutida, mas será necessário haver toda esta obsessão à volta do assunto? A alimentação deveria ser natural, não um conjunto de regras e limites ;)

      Eliminar
  7. É engraçado, a cada um dos pontos da história pensamos «Pf, palermas, a acreditar no geocentrismo. Bando de tacanhos. Devia ser estranho viver com tantas ideias erradas. Agora sim, agora sabemos tudo!», como se a nossa vida fosse o estágio de máximo conhecimento de sempre :P até a paleo, que basicamente se funda no princípio de que um monte de coisas que sabíamos estava errada, devia conceder uma visão mais alargada, receptiva, tolerante, menos... Fundamentalista. Se não em critérios, em ideologia. Porque acaba por ser um bocado absurdo ver os fanáticos - como os que houve (e há) quanto ao «low fat», como os que houve (e há) quanto ao veganismo (não falando de questões éticas), etc. Podemos aproximarnos da verdade, mas é como em Matemática - chegar ao quarto ano e pensar «que estupidez, mais números, só há os 'naturais'» (sem esta terminologia) e acreditar no mesmo de cada vez que os professores falavam nos fraccionários, negativos, irracionais, etc. Ou como um videozinho sobre «Hah, idiotas ignorantes que acham que só há até 2D. 4ª dimensão? Que estupidez!»
    (Eu até fui tentar ler a página da wikipédia sobre a 4ª dimensão, mas fiquei com uma dor de cabeça no segundo parágrafo.)
    Pois, acaba por ser uma confusão com tantas teorias em conflito :P resta manter alguma disponibilidade para não fixar ideias - digo eu. Também é uma questão de ver como cada um se sente melhor...
    Estou sempre a pensar no quão ténue a linha entre distúrbios do comportamento alimentar e «ser saudável» é - porque desconfio que muita gente que se refugia na procura de uma baixa % de massa gorda, músculo, alimentação saudável e etc tem exactamente a mesma mentalidade e obsessão - não todos, claro, mas alguns.
    Quando se conhece críticas a perspectivas tradicionais não é difícil achar que «ahh, sim, ESTA é a verdade» e tomá-la como tal. :P
    Não gosto de pôr sementes em tudo, MAS ficam tão boas com queijo batido :D
    Quando se procura uma alimentação saudável é muito difícil fugir dos extremos, porque com tantas «perfeições» e alegações de que o leite é homicida parece que comer 1 pão é um crime contra a própria integridade física, e custa não aderir a um qualquer estilo de vida... Eu faço paleo também, mas não é por isso que deixo de comer doces, arroz da minha avó ou chocolate quando me apetece. E, embora eu saiba que isso não prejudica de todo a minha saúde, acaba por ser difícil manter essa ideia quando a comparação é constante e há tanta gente com uma dieta aparentemente perfeita, 100% seguida e planeada que se orgulha diariamente a recusar um bombom que o amigo ofereceu. De resto, acho que a solução é mesmo tentar equilibrar as coisas e moderar a tendência cada um dos 2 lados :)
    Haha, 72 :P achei piada ao aprofundamento da expressão!
    Acho que uma coisa não substitui a outra mais do que individualmente, porque no geral há gente com muito excesso de peso de um lado e gente muito dedicada a ser activa e ter uma alimentação saudável do outro... É pena não dar para ver a média :P embora também não fosse ser propriamente equilibrada, continua a haver imensa gente com peso a mais e maus hábitos...
    Siiim, sem dúvida que está o caramelo! Se bem que eu tenderia a dar-lhe o número 100 por ser tão belo e maravilhoso ;) esses 2 fiinhos giros a escorrer :D E esses teus brownies são bem capazes de ser a coisa paleo mais decadente que eu já vi! OHEMEUDEUS que aspectoo! És impossível :P
    (E se me concentrar no particular, essa textura húmida fenomenal!... :O)
    Estava tão bom como estavas à espera? EU não estava à espera que o aspecto ficasse assim tão bom, normalmente as fotos dos blogs conhecidos são um bocado utópicas :P
    Por acaso pensei que fosse pior com mel, tem um sabor muito forte... Tenho taanto de fazer! Com ghee deve ficar tão bom, por ter aquele cheiro de caramelo :P

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É muito melhor do que eu esperava. Tinha as expectativas relativamente controladas (porque afinal de contas a maioria das coisas paleo tende a não ser tão boa como a versão original) mas isto é mesmo uma DELÍCIA :D E sim, eu preferi a versão com xarope de seiva de ácer. Mas com ghee deve ficar uma maravilha :D

      Eliminar
  8. Olá Joana,
    Meu queixo cai... não com o peso da barbela, mas com o bonito da escrita. Como eu gostaria e me saber expressar assim... adiante: realmente a moderação pode fazer toda a diferença e o equilíbrio acontecer normalmente com moderação no que consumimos. há algum tempo li um pequeno livro escrito por -um jornalista especializado em cozinha quotidiana (sobretudo na vertente tradicional, mediterranica), que teve a sorte de poder partilhar o trabalho durante muitas jornadas com a experiência dos nutricionistas que formaram o Comité Cientifico do Congresso de Barcelona e de, como eles, se sentir fascinado pelo tema. Escrito em 1997, Llorenç Torrado deixa uma serie de comentários e conceitos sobre o que no momento era denominado por dieta Mediterrânea especialmente se se tiverem em conta as conotações de doença e sacrifício associadas ao termo. Depois de ler alguns capítulos, cheguei à conclusão que estava a rever-me exactamente nos princípios da alimentação dos meus avós, na Beira Alta. A quando o autor se refere -Trata-se de uma tentativa de descrever, racionalizar e comunicar o sistema inventado ao longo dos séculos pelas mulheres do Mediterrâneo, comer bem.
    ...deve prestar-se atenção ao que se come, dosificá-lo convenientemente, sem nunca prescindir do prazer da comida. Não é muito fácil, mas é sem duvida divertido. Recordo que a frugalidade que existia nas aldeias (sem ser passar fome) não produzia obesidade. Fugi um pouco ao tema, mas é também uma forma de como vejo e sinto a nossa gastronomia desaparecer,
    por falta de critérios e de saber comer.
    Beijinho

    ResponderEliminar
  9. Olá,

    Sinceramente após quase 7 anos de mudança e muita luta nem sei o que é saudável ou o não saudável. Acho que tudo deverá fazer falta com peso e medida, claro que alguns alimentos mais do que outros.
    Adorei a tua receita. Esse caramelo paleo em cima de um gelado de baunilha e nozes devia ficar um manjar dos Deuses.

    Beijinhos,
    Clarinha
    http://receitasetruquesdaclarinha.blogspot.pt/

    ResponderEliminar

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...r: 0" />